site

Leõezinhos fazem competições virtuais e garotos da base do futsal treinam por videoconferência na quarentena

17/jun
Leõezinhos fazem competições virtuais e garotos da base do futsal treinam por videoconferência na quarentena

Como os adultos, os garotos do Fortaleza Esporte Clube também não pararam de treinar e de ter foco na quarentena. Os atletas da escolinha das categorias de base de futebol, os Leõezinhos, estão fazendo competições virtuais por meio do Instagram. No futsal tricolor, a garotada anda treinando bastante por videoconferência. Isso tudo com muita ajuda e amor dos familiares, um incentivo importante para este momento de isolamento.

Os Leõezinhos contam com as categorias Sub-7, Sub-9, Sub-11, Sub-13, Sub-15 e Sub-17. Cada uma tem sua disputa virtual entre os atletas, que é organizada por votação nos stories do Instagram da escolinha. “Nesta semana, fizemos uma do Sub-7 e do Sub-8, colocando a foto dos garotos para movimentar a página e eles também participarem, assim não ficam 100% parados”, disse Lindomar Brito, administrador da escolinha e presidente do Movimento Sem Fins Lucrativos do Fortaleza (MITT).

Os torneios virtuais foram pensados em uma forma de fortalecer os laços entre a escolinha, os alunos e os familiares. Entretanto, os treinos presenciais estão previstos para voltarem no segundo semestre do ano, mas ainda depende do decreto e da liberação de fases do Governo Estadual.

A garotada do futsal tricolor está treinando por videoconferência com auxílio do preparador físico Anderson Ferreira, que treina com os atletas às terças e quintas, no período da tarde. “A gente os reúne, bate um papo bem rápido e já inicia algumas atividades. No começo, fizemos uma espécie de readaptação, mostrando determinados movimentos para que eles pudessem executar da melhor forma possível. Com o decorrer dos encontros, nós fomos evoluindo as etapas e hoje a gente busca mais treinos que simulem os sprints, ou seja, com maior intensidade”, explica o preparador.

Foto: Divulgação / Fortaleza EC

As famílias dos atletas também estão ajudando bastante nas atividades. “Eles que estão presentes ao lado dos atletas, então observam o que a gente passa e fazem esse auxílio. Os pais são importantes no momento que estamos vivendo e tendo que treinar à distância”, explica Anderson.